Saturday, March 7, 2009

É isto uma Tertúlia, não é? :P

Ontem, foi uma das melhores noites dos últimos meses, para mim.
Conheci um pouco da noite de Coimbra. Coimbra, uma cidade famosa pela sua intensa actividade nocturna (ou não fosse um cidade de estudantes! :P). Para ser sincero, não gostei especialmente do ambiente, pelo contrário - é extremamente difícil falar com alguém com tanto barulho. Mas o que me agradou mais foi a companhia.

Mas contextualizando:
Ontem, às cinco e meia da tarde, houve o lançamento do número 11 da revista "Oficina de Poesia", no TAGV (Coimbra). Na minha opinião, esta revista é de louvar pois é das poucas que existem neste país graças a uma mulher. E mais - que tem a coragem de publicar poesia de autores não-consagrados.
O número inaugural desta revista data já de 2002, e esta é, desde aí, dirigida por Graça Capinha, professora na Fluc, e editada pela Palimage.
Este número 11, no qual a minha mãe viu o seu primeiro trabalho publicado (:D), conta com a normal presença dos alunos que participam nas cadeiras de Poética e Escrita Criativa e de Oficina de Poesia (que dá o nome à revista), leccionadas pela Graça Capinha. Isso não é novidade, mas neste número podemos também ler poesia dos "Poetas em Residência", o americano John Taggart e a italiana Cristina Babino. Pouca é a poesia de que gosto realmente, mas os poemas de John Taggart deliciaram-me completamente.
[Em conjunto com o nº 11, já do ano passado mas um pouco atrasado, foi lançado também o nº 12, desta feita com textos dos poetas residentes Márcio André, brasileiro, e Miro Villar, galego.]

Depois disso, estávamos eu e a minha mãe a pensar o que fazer a seguir, quando a Graça chega ao pé de nós e nos pergunta se não queremos ir ao jantar dos poetas. A minha mãe aceitou (e eu todo contente =D), e lá fomos nós com outros dez poetas, entre eles o Márcio André e o Miro Villar, jantar num restaurante absolutamente fantástico, na parte velha de Coimbra.
Nos últimos meses tenho feito um esforço para me tornar mais sociável, para ser mais "normal", mas ontem senti-me sem dúvida um peixe dentro de água. Desde os temas de conversa (música, literatura, cultura, poesia) ao português usado (um português melódico, correcto), sempre com muita descontracção e humor inteligente (ou não :P) à mistura.

Depois de o jantar acabar, veio a parte mais interessante, na minha opinião.
Fomos para um pequeno e rústico bar na Sé Velha. Éramos apenas cinco, o que proporcionou conversas, na minha opinião, mais "profundas". Pudemos falar mais entre nós, de assuntos desde o Acordo Ortográfico às condições de vida no Brasil, passando por problemas sociais, sociedade e política, ou mesmo a ausência dessas.
Houve um verdadeiro intercâmbio de culturas - nós bebemos da cultura brasileira, através do Márcio André, e ele bebeu da nossa.
É fantástico como, num dia, conheci tanta gente com maneiras de (vi)ver as coisas tão interessantes e totalmente diferentes do grosso da população mundial. Visões que, muitas vezes, coincidem com as minhas. :)

Os poetas são mesmo seres fantásticos! ;)


[Links que vos poderão interessar:
- John Taggart na Wiki
- Site de Márcio-André
- Site da Palimage]


PS: Podem ver a lista dos números publicados da "Oficina de Poesia" aqui. Para quem estiver interessado em adquirir a revista (ou as revistas :P), mandem um e-mail para palimage@palimage.pt ;)

8 comments:

marttokas said...

Acho que o facto de não sermos pessoas nos deixa em desvantagem em relação ao resto da sociedade. Quer dizer...eles têm sobredesenvolvida a capacidade de de "confraternizar" mas nós temos outras!

Passa pelo meu blog: http://tribosurbanas0809.blogspot.com/

Francisco Norega said...

Completamente de acordo! :P

Eu não escrevo poesia, mas ontem senti-me mais poeta do que qualquer coisa. Ser poeta é mais do que escrever versos, é uma forma de estar na vida. ;) Eu estou com eles :)

Leto of the Crows said...

Muito bem, Kikito, parece mesmo que gostaste da companhia ^^

Francisco Norega said...

Gostei. E acho que tu também ias gostar :D Ou não fosses tu uma poeta ;)

Francisco Norega said...

Peço desculpa, tinha escrito que a Graça Capinha era professora na Flul. Lapso meu, ela é professora na Fluc. Ai xD

anaaaatchim! said...

Parece que foi mesmo uma noite fantástica! Espero que essa sensação de peixe dentro de água se possa repetir por muitas mais vezes ;)

Francisco Norega said...

Também espero que sim :) Agora já sei que há eventos frequentes do género, organizados por pessoas da Fluc. Que é mesmo ao lado da minha escola (bem, não exactamente xD)

:D

James said...

Tenho mais literatura: zonabrasilblog.blogspot.com